Arquitetura do sonhar?

Anúncios

Julgue muito! | Hábitos de pessoas altamente miseráveis

Julgue sem parar. Tenha certeza de possuir uma lista de desgostos e os expresse pelo menos algumas vezes por dia. Mesmo que sua opinião não tenha sido solicitada. Por exemplo, nunca hesite em dizer: “Que tipo de risada é essa?” ou “Você não tem uma roupa melhor para vestir?”. Se alguém está comendo algo, diga que não gosta desse algo. Sua negatividade pode ser aplicada a praticamente tudo.

Ajuda muito se você pensar que seu julgamento tem status de verdade absoluta. Além disso, habitue-se a julgar as coisas de um modo que deixa você em uma situação especial, como se estivesse à parte em uma posição privilegiada. Deguste o prazer de criticar por criticar sem se comprometer com coisas chatas como lógicas, pressupostos, contextos, relevâncias e afetividades. O que importa é apenas continuar julgando, julgando sem parar e sempre, sempre poder ouvir sua própria voz opinando.

Exercício: Liste 20 coisas que você desgosta. Veja quantas vezes você pode inseri-las em uma conversa no curso de um dia. Para melhores resultados, desgoste de coisas que você nunca experimentou ou se permitiu gostar ou compreender.

Essa post é inspirado e parcialmente copiado do artigo The 14 Habits of Highly Miserable People, de Cloe Madanes

Cultura do medo?

Não é o poder que corrompe, mas o medo. O medo de perder o poder corrompe aqueles que fazem uso dele; e o medo do flagelo do poder corrompe aqueles que estão sujeitos a ele.

(…)

O destemor pode ser um dom, mas talvez algo ainda mais precioso seja a coragem adquirida através da aventura, a coragem que vem de cultivar o hábito de recusar deixar o medo ditar as ações de alguém, a coragem que poderia ser descrita como ‘graça apesar da pressão’  — graça que é renovada repetidamente na face da dura e contínua repressão.

Dentro de um sistema que nega a existência de direitos humanos básicos, o medo tende a ser a ordem do dia. Medo do encarceramento, medo da tortura, medo da morte, medo de perder os amigos, a família, a propriedade ou os meios de vida, medo da pobreza, medo do isolamento, medo da falha. Um tipo ainda mais sutil de medo é aquele que mascara como senso comum ou até como sabedoria, condenando como tolice, irresponsabilidade, insignificante ou fútil os pequenos e diários atos de coragem que ajudam a preservar o auto-respeito e a inerente dignidade humana. Não é fácil para pessoas condicionadas pelo medo imposto por lei férrea o princípio de que o poder é válido para a auto-libertação do enervante miasma do medo. Ainda assim, sob o poder esmagador da maquinaria do estado, a coragem se eleva de novo e de novo, pois o medo não é o estado natural do homem civilizado.

— Aung San Suu Kyi, em
Freedom from Fear: And Other Writings