Me engana que eu gosto?

A Copa do Mundo da FIFA é propagandeada como um evento capaz de gerar riqueza e empregos. Contudo, estudo (pdf, em inglês) realizado pela Human Sciences Reserch aponta que esses benefícios podem não passar de propaganda enganosa.

Em 1994, a Copa do Mundo prometia aos Estados Unidos um lucro de U$4 bilhões. Contudo, ao final do megaevento, teria gerado um prejuízo entre U$5,5 e U$9,3 bilhões.

O caso da Copa de 2010, na África do Sul, é emblemático. O evento da FIFA foi divulgado como um catalizador para melhorar a condição de vida das pessoas historicamente desfavorecidas. O que se viu, entretanto,foi um resultado diametralmente oposto. O número de postos de trabalho diminuiu em 4,7%, ou seja, 627 mil pessoas perderam seus empregos.

Um ponto crítico é a dívida que se cria ao se deslocar recursos públicos (que iriam para necessidades básicas) para estádios e obras de mobilidade que não necessariamente melhoram a vida dos cidadãos. Este pode ser justamente o caso das obras na cidade do Natal, para o Copa de 2014, no Brasil. Estima-se que o estádio faraônico construído para os jogos naquela cidade se transforme em um elefante branco, ao mesmo tempo em que os projetos de mobilidade não privilegiam o transporte público, além de ainda devastar o meio ambiente e a vida de várias famílias que correm o risco de ser desapropriadas de suas casas.

Violação de Direitos Humanos na Copa do Brasil

Outro fator preocupante na edição brasileira da Copa é a quantidade generalizada de abusos a direitos constitucionais, relacionados no dossiê “Mega-eventos e violação de Direitos Humanos no Brasil” (pdf), lançado pela Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa e das Olimpíadas.

Dentre outras violações ao Estado Democrático de Direito, os Comitês Populares reuniram casos de despejos irregulares, precarização do trabalho, exceções e ilegalidades, discriminações e privatização de recursos públicos, além de outras violências inaceitáveis.

Belo Monte

TRF-1 invalida licença de Belo Monte

A licença que permitia a instalação da Usina de Belo Monte foi invalidada pelo Tribunal Regional Federal. As obras devem ser suspensas. O consórcio Norte Energia, construtora da obra, poderá recorrer da sentença no STF.

Conforme o relator, desembargador Antônio de Souza Prudente, a determinação da consulta prévia e informada – conforme manda a Constituição Federal e a Convenção 196 da OIT – não foi realizada pelo Congresso. As comunidades indígenas precisam ser ouvidas e consideradas pelos parlamentares. A consulta não é uma mera formalidade, vossas excelências.

Souza Prudente acrescenta que o Congresso não pode delegar a terceiros a consulta. Aquelas realizadas pelo Ibama, Funai e demais órgãos estão, desse modo, invalidadas.

com notícia de Renato Santana
via Xingu Vivo

Loucos por futebol?

cartum Arpa

No dia 20/12, a partir das 16h, o Comitê Popular da Copa 2014 e a Associação Potiguar dos Atingidos pela Copa promoverão um Ato Público no entroncamento da Av. Capitão Mor Gouveia com a Av. Prudente de Morais, no bairro de Lagoa Nova.

Os grupos denunciam arbitrariedades no gasto do dinheiro público e na priorização dos projetos “Pró-Copa. Estimam que 429 imóveis, entre residências e lojas, deverão ser desapropriados para cumprir as exigências de apenas um desses projetos.

Mais informações com Nevinha, pelos telefones: (84) 3219 4078 e (84) 8723 4079