Tempo de compreender?

via Ponto Eletrônico

“Até pouco tempo, quando, numa família burguesa, uma filha engravidava antes do casamento, quando um jovem se drogava, ou quando se revelava homossexual, fechavam-se correndo portas e janelas, mentia-se fora e, se possível, dentro, para proteger a decência. A lógica do amor nos leva aos poucos para outros horizontes, outras atitudes, para lógicas de compreensão mais abertas e, por aí, mais coletivas. Quando uma família experimenta um acidente de percurso (ou, pelo menos o que ela percebe, com ou sem razão, como tal), no mais das vezes, hoje, ela se abre para novas sensibilidades, alarga o horizonte, mais do que o fecha. Por isso o privado se torna cada vez mais um fator de abertura para os outros, logo, para a esfera pública, e não o contrário.”

Luc Ferry, em
A revolução do amor