Teletransporte?

imagem: Shawn Dickinson

Todos esses textos e objetos sagrados, eles visam um transporte. Pode-se dizer que apontam para um além das aparências, como uma superação suspensória. Quase sempre parecem tratar de lugares ideais e contextos melhorados, coisas como édens, paraísos, terras puras, céus, nadas, dentre outros pontos perfeitamente estacionados pelas aventuras de luz e sombra.

Esses textos e objetos são consagrados pela capacidade teleférica e atributos de deslocamento de admiradores. Conduzem a estados ampliados, experiências de pico, verdade, fim do sofrimento, pureza, transpessoalidade, união disso com aquilo, amor, visão, liberdade, talidade, paz, eternidade, infinito, bem-estar, saúde, compaixão, poder, status, ilusão, desilusão, simplicidade, elaboração, emotividade, silêncio, truque, vício, palhaçada, sorriso, alegria, generosidade, frustração, despojamento, acesso…

Lembram de um esquecimento, alguns desses textos. Afirmam algo como isso não é bem o que parece, ou isso que é doce é amargo. Ou. Surgem-se alternativos ao posto estado, como uma viagem para destino outro e um fim finalidade, fazendo sentido. Tratam de um ir além da morte. Ou não. Como se apontassem sempre para uma realidade controversa, na qual tudo. E/Ou nada. Escrevem-se como contos do ser e do não-ser, da presença e da ausência, através de ciclos e causas últimas primordiais. Abordam meios, pretendem-se jangadas.

Portanto, compreendem-se enquanto verdadeiros. Supõem-se premissos, funcionais e exímios intérpretes do real, ao modo das autoridades e juízos. Ornam-se como labirintos de janelas espelhadas. Agem como condutores investidos de magnetismo carismaxé. Relacionam-se muy naturalmente com a cura, com a medicina, a terapêutica e as vitalidades do corpo e da mente. Revelam-se como cultura nutritiva, instantâneo de lucidez, missioneiros e facas de três gumes.

Liturgias, sinos, raios, cruzes, celas, escrituras, contos, pistas de dança, estatuetas, marcas e monólitos, árvores e orangotangos, cuecas e gatas, ideologias do tempo, frisson, métodos científicos, templos de comida, metas, dinheiro, lucro, dragões, mídias, chupetas, arte, despedaçamentos, modas de estrelas, frisos cromados, elevadores, filhos, bichos geográficos, transes – máscaras variadas de diferentes gostos e um só sabor?

Unanimidade? Uma dependência vazia.

Tantos textos e objetos sagrados, divinos e mundanos, devocionais e de sabedoria sugerem necessidades, estações e potências ao gosto de uma freguesia de intenções, movida por carências e traumas, estalos e humores, curiosidade e aprendizado. Elaborados como eixos, tesouras e panacéias, apresentam-se como hábeis.

Fazem e desfazem as cabeças e corações dos adeptos. São cantados em hinos de fervura e chaga, por portais e chaves entreabertas.

ilustração: troche

O mundo é mágico. De cartolas mágicas saem planos de desenvolvimento nacional, racionais míticos, mais coelhos da páscoa, dentre brindes, escalas de montanha e estradas de éter. Bailarinas, trapezistas, palhaços, domadores, ilusionistas, gestores, artistas e crianças inimaginadas – passes de mágica, visionários e lanternas de fogo.

O mundo é poderoso. Um Atlas de poderes, carregando miráculos de ficção nas costas, órbitas de luxo. Titãs de terra e vento, fogo e água agitam as partes do mundo, devorando formigas, atmosferas, estômagos e marés. Terremotos, furacões e estiagens são os ossos de seu ofício. De lava criam pontes, do ferro cárceres.

O mundo brinca com botões e chapeuzinhos vermelhos. Joga contas de vidro, diverte-se tabuleiro. Suas traquinagens  assombram sonhos, fazendo caso de coisas. Vestido de holograma e furo, bate à porta de toda casa, reclamando travesseiros ou travessuras.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s